31 de dez de 2013

Adeus 2013, Bem-vindo 2014

Créditos na Imagem


É no Ano Novo que fazemos o saldo do que fomos e do que fizemos ao longo do ano. É no Ano Novo que nos lembramos quem fez diferença em nossas vidas, quem conquistamos e quem perdemos. É no Ano Novo que pesamos o que significamos na vida das pessoas ao nosso redor.

É no Ano Novo que renovamos nosso animo para os dias futuros. É no Ano Novo que nos propomos realizar nossos objetivos e sonhos. Nos propomos deixar todas as coisas (e energias) ruins para trás (ou ao menos grande parte delas), e manter somente as boas para o ano que se inicia. Acredito que é esse ânimo renovado que nos faz ficar tão eufóricos e alegres nas festas de Réveillon.

Às pessoas que acompanham este blog, eu desejo, sinceramente, um 2014 repleto de realizações, carinho, força e saúde.

27 de dez de 2013

Padre (Priest)



Filme americano de 2011, baseado em um Manhwa (revistas em quadrinhos da Coreia do Sul que equivale aos mangás japoneses) de mesmo nome.

Desde o inicio dos tempos, os homens lutam pela sobrevivência e pelo domínio do mundo contra os vampiros. As eras de luta deram a vitória aos humanos, mas o mundo inteiro pagou o preço pelas sangrentas batalhas. O mundo virou um deserto, os humanos sobreviventes são obrigados a viver em cidades muradas sob o controle teocrático de uma entidade chamada de "Igreja" enquanto que os vampiros remanescentes são confinados em "reservas". Nesse ambiente, os Padres se destacam como guerreiros da Igreja (e treinados por ela) que, após reverteram a situação a favor dos humanos, passaram a ser temidos, exterminados e, os poucos remanescente, jogados ao anonimato... Assim como a propria existencia dos vampiros.

Na verdade, um filme desse passaria quase despercebido na minha lista de “Filmes Para Ver” (filmes de terror/ com cenas de tortura não são exatamente a minha praia) se não fosse por um porem: Esse filme faz parte da filmografia do meu BANG-MASTER Karl Urban... E eu pretendo assistir a cada produção que esse pedaço de mal caminho participou. (:3)
A trama gira em torno de um Padre (Paul Bettany) que, contrariando as ordens da Igreja, parte em busca de sua sobrinha, sequestrada após um ataque de vampiros. Ele conta com a ajuda de Hiks (Cam Gigandet ), namorado da garota que também é o xerife da cidade onde ela morava com seu pai, Owen (Stephen Moyer) e sua mãe (ex-namorada do Padre, antes deste ser recrutado pela Igreja). Karl Urban faz o papel de Black Hat, o vampiro por trás do sequestro de Lucy.

É um filme ótimo de se ver. Cenas bem montadas e trilha sonora maravilhosa. 

22 de dez de 2013

Encontro Toca ES – Tarde no Salão de Valfenda (10/11/2013)

O Salão de Valfenda é um espaço onde as artes encontram seu destaque. O encontro da Toca ES de Novembro convidou todos seus membros para expressar seus talentos. Desenhos, musicas, citações, interpretações, se fosse dentro do universo do mestre Tolkien, estava valendo.

Fiquei muito contente em poder participar desse evento. Depois de ter perdido algumas oportunidade de ajudar a Toca em alguns eventos que ocorreram, já estava sentindo falta da receptividade e do acolhimento dos entocados, e é sempre ótimo passar a tarde ao lado de pessoas como a Maria Vitória, Landy e Samy.

Mas o melhor de tudo foram as citações e interpretações que os entocados fizeram de trechos de O Senhor dos Anéis e de O Hobbit, foram MUITO iradas. Com direito a contador de histórias com publico infantil e dramatização de batalhas. xD (a essa altura do evento, a minha câmera ficou com a memória cheia e eu não consegui mais gravar. T-T)

Agora, justificando o atraso da postagem (e eu peço MIL DESCULPAS à TOCA ES por isso): enquanto estávamos planejando o encontro, certa pessoa falou que iria levar sua câmera profissional. Até ai tudo bem. Levei a minha por desencargo de consciência... Enfim, ele realmente foi e, como vi que ele realmente estava tirando as fotos, aproveitei e comecei a gravar os vídeos da galera. Acontece que até agora essas fotos não foram compartilhadas. O motivo? Segundo a pessoa, as mais de 100 fotos (de um picnic com menos de 30 pessoas) são de alta qualidade por isso demorariam a ser carregadas e editadas para melhor qualidade das imagens. O pior de tudo foi ler, junto com essa justificativa, que um casal está esperando há SETE MESES pelas fotos de casamento que essa pessoa tirou. Sério, estou com pena dessa noiva.

 Muita coisa deu errado durante a produção dessa postagem, a falta das fotos, a má qualidade não só de dois dos videos tirados (culpa minha, assumo) quanto das fotos que eu consegui tirar, o tempo decorrido entre o evento e essa postagem... Enfim, mas eu não queria virar o ano sem publicar ao menos os vídeos que eu consegui fazer... (não ficaram lá muito bons, mas fiz o melhor que pude)

Entocado Nkolai Cantando a canção "Isso é o que Bilbo Bolseiro detesta!" (O Hobbit, pág. 12)

Todos os videos estão disponíveis no canal do Blog no Youtube.

20 de dez de 2013

Invictus


A vontade de rever esse filme era de muito antes da triste noticia do falecimento de Nelson Mandela no dia 5 desse mês. Coincidiu do meu porta-CD de filmes ser devolvido e de esse ser o primeiro DVD que vi. :P

Ele foi uma produção estado-unidense de 2009.

O filme começa mostrando um pouco da realidade do país no dia em que Mandela foi solto depois de 27 anos encarcerado. De um lado, meninos negros, jogando futebol com uma bola surrada em um campo de grama seca e improvisado. Do outro, um grupo de garotos brancos jogando rugby em um campo de grama verde, usando equipamentos novos e impecavelmente uniformizados. A passagem do herói sul-africano enche um dos lados de alegria, enquanto o outro profetiza o fim de um país “de bem”.

A saída de Mandela da prisão leva um novo tempo à África do Sul. Mandela é eleito presidente graças ao recém-adquirido direito de voto pela população negra. E é aí que sua verdadeira luta contra a segregação racial imposta ao longo do Apartheid começa. Depois de anos de forte segregação, os negros sul-africanos estão vivendo em meio à pobreza e a violência. Os movimentos e resistência e de opressão fazem o país ficar a beira de uma guerra civil. E os dois lados desconfiam um do outro.


É impressionante como 15 minutos de filme conseguem passar o quão grande Nelson Mandela conseguiu ser.

Durante um jogo de Rugby, Mandela vê no esporte mais querido pela minoria branca do país uma chance preciosa de dizer que ele está sob a bandeira da reconciliação e da união entre os diferentes grupos da África do Sul.

Sabe quando tem jogo da seleção brasileira de futebol e que o país inteiro simplesmente PARA? Agora imagina um país que viveu quase 50 anos separando negros e brancos cantar em UNÍSSONO em apoio a uma partida de rugby.

Eu não consigo achar defeitos nesse filme. A trilha sonora é linda, as interpretações foram incríveis e tudo foi magistralmente dirigido. E é impossível não chorar com as cenas finais.

17 de dez de 2013

White Collar – 3º Temporada



Cuidado! Esse post pode conter SPOILERS!


A coleção de arte encontrada no Submarino não está perdida. De fato, ela está (secretamente) em posse de Neal.

Episódio 04: Se você acha que Mozzie é paranoico, bem, esse episódio te fará ter certeza. Ele é uma verdadeira Teoria da Conspiração ambulante, que vai até o extremo da chatice e da maluquice. Mas ele, no fundo, é um sentimentalista de marca maior. Um coração tão grande quanto a sua habilidade em irritar federais. J

Episódio 05: Nada melhor que ter o casamento com seu atual alvo de investigação arranjado pela sua esposa. xD

Episódio 10: Não foi a toa que Peter passou 4 anos caçando Cafrey. Disparada, é um dos episódios que mais colocam adrenalina no sangue. Está entre os meus preferidos sem sombra de duvida. É nesse episódio que começa uma das maiores caçadas de toda a série (mas vocês terão que assistir para saber quem estará caçando quem, ok?).

Episódio 12: Os dois primeiros minutos (a meu ver) farão os fãs de Harry Potter ir as gargalhadas, as referencias são brilhantemente colocadas. Para as apaixonadas pelo Cafrey (que a essa altura já devem ser várias)... Bom, eu gostaria mesmo de ter um professor como ele em meu ensino médio. xD E, de quebra, os garotos conseguem algumas dicas de sedução para principiantes. =x

Episódio 13: Dessa vez é a série True Blood que empresta um de seus atores regulares, o episódio possui a participação do lindíssimo e carnudo Joe Manganiello (que interpreta o lobisomem Alcide em TB). O episódio pode não ser lá um dos grandes, mas somente por ver Matt Bomer e Joe Manganiello juntos, meus caros e minhas caras, é lindeza em dobro. (Agora, se vocês querem ir ao delírio com essa combinação, assistam a Magic Mike)

Esses são os únicos episódios que gostaria de destacar. O que posso dizer da terceira temporada é que a qualidade da história principal foi mantida, os casos foram montados de modo a desafiar os espectadores e entretecê-los, sem duvidar da paciência (e da inteligência) dos mesmos (já vi algumas séries fazendo isso, acho ridículo).

16 de dez de 2013

Katekyo Hitman Reborn! (Mangá)


Criado e desenhado por Akira Amano entre 2004 e 2012, esse mangá começa como um estilo bizarro de comédia que, aos poucos, se converte em um dos melhores shounens que eu já li.

O personagem principal se chama Sawada Tsunayoshi, mais conhecido como “bom-em-nada-Tsuna”. Péssimo nos estudos, um desastre nos esportes, Tsuna possui um complexo de perdedor bastante apurado. Um dia, ele recebe a visita de Reborn, um bebê que afirma que Tsuna é o herdeiro de uma das famílias mais famosas e poderosas do mundo da máfia, a Vongola, e que ele (Reborn) foi contratado para ensinar a Tsuna tudo o que ele precisa saber para assumir tal posto.

Logo no primeiro capitulo, o elemento humorístico do mangá fica escancarado, a metodologia que Reborn usa é simples: se Tsuna fizer algo de errado, espanque-o (ou exploda-o), se ele chegar a uma situação estrema, mate-o usando a Shinuki-dan (a bala do ultimo desejo. Ela transforma o Tsuna em um louco desvairado de cueca que não sossega enquanto seu ultimo desejo, ou o motivo de seu arrependimento não for realizado)... Já disse que esse Reborn é um famosíssimo assassino de aluguel? =x

Nessa primeira fase, as situações (nada normais) em que Tsuna é colocado acaba por aproximá-lo de pessoas que farão toda a diferença quando a história engrenar de vez, como Gokudera Hayato (um assassino especialista em bombas), Yamamoto Takeshi (maníaco por baseball que tem a incrível habilidade de levantar o astral de todos com seu otimismo inabalável. Segundo no meu Top-10 de KHR ;D). Também temos o Lambo (um pirralho irritante de 5 anos vestido como uma vaca, mas que fica uma gracinha aos 15 anos e um pedaço de mal caminho aos 25. Terceiro Lugar no meu Top-10 KHR) e o Sasagawa Ryiohei (que leva as coisas ao extremo, literalmente).

 O vencedor extremo e eterno no meu Top-10 KHR é Hibari Kyoya, líder do comitê de disciplina da escola em que Tsuna estuda e também líder dos delinquentes da cidade (anti-social, capaz de amedrontar até a maior autoridade oficial de Nanimori, Hibari é do tipo que “morde até a morte” todos que não seguem as regras da cidade ou fazem algum dano a escola). :3


Hibari Kyoya
As coisas começam a ficar interessantes lá pelo capítulo 48 (sexto volume no mangá impresso), quando descobrimos que Reborn não é o único bebê que carrega uma chupeta colorida consigo. A entrada do Colonello e do Skull já te deixa um uma pulga atrás da orelha com um aviso claro de que “aí tem coisa”. Aliás, são nesses capítulos que os bebês com chupetas coloridas são chamados de Arcobalenos (personagens IMPORTANTÍSSIMOS em sagas futuras) e identificados como os sete assassinos mais fortes de todo o mundo da máfia. Mas é a partir do capítulo 62 (oitavo volume no mangá impresso) que a história engrena, quando o primeiro vilão da história é apresentado. Rokudou Mokuro é um ilusionista condenado e foragido da prisão de segurança máxima guardada pelos Vindice (uma família de mafiosos estranha e assustadora, que guarda a prisão mais importante e segura do mundo da máfia, também IMPOSTANTÍSSIMA em sagas futuras). Ele também foi o único capaz de dar uma surra mais que bonita no Hibari.

Uma das coisas que gostei em KHR foi o arranjo das habilidades especiais dos personagens com a história principal. Geralmente, a classificação tradicional das habilidades se resume a terra, ar, água e fogo. Nesse anime, essa separação é feita em sete partes: céu, tempestade, chuva, trovão, sol, nuvem e névoa. E cada um possui missão e função diferente dentro da família. Os personagens, claro, se encaixam perfeitamente em seus respectivos elementos.

O enredo possui 4 arcos principais (5 se os “Dias normais” forem considerados”).

O primeiro é contra Rokudou Mokurou, apesar de ser um arco curto, ele mostra que Tsuna não é tão inútil assim. É também nessa saga que a profundidade da relação de amizade e confiança entre Tsuna e Reborn é (levemente) vislumbrada. E é também nesse arco que os fofíssimos hibirds aparecem e mostram a sua habilidade de anunciar o caos. (xD)

A segunda saga, “Batalha pelos Vongola Ring” trás o grupo de assassinos profissionais da Vongola, a Varia, como oponentes principais. As lutas são lindas.

O terceiro arco começa com o desaparecimento de Reborn. Na tentativa de achar seu amigo e tutor, Tsuna acaba sendo atingido pela “Bazuca dos 10 anos” do Lambo e indo para 10 anos no futuro. Essa realidade foi completamente alterada por uma pessoa chamada Byacuran, detentor dos Mare Ring. A parte boa (ótima na verdade, é que temos O Gokudera, Yamamoto, Ryiohei, e Hibari 10 anos mais velhos... mesmo que por pouco tempo. :3). As lutas são ainda mais lindas que na saga anterior (principalmente a parte final da saga), mas não chegou a ser a minha saga preferida. Sem duvida alguma, é a mais frustrante, no entanto. ¬¬ Também é o arco mais longo do mangá (cerca de 150 capítulos).

De volta ao passado... Quer dizer, ao presente, um novo aluno chega à escola de Nanimori, marcando o inicio do quarto arco. O passado e a honra de Vongola Primo (o fundador da Vongola) são colocados em prova quando o herdeiro da Família Shimon atrapalha a cerimônia que oficializa Tsuna como Vongola Decimo. Buscando vingança, ele não se importa em ferir pessoas. Os Novos Vongolas Rings são postos de frente com os Terra Rings, em batalhas emocionantes e mediadas pelos próprios Vindice.  Mas se engana quem pensa que a Familia Shimon é o único (ou o verdadeiro) inimigo a espreita. Por incrível que pareça, as batalhas conseguem ficar ainda mais impressionantes. É a segunda melhor do mangá.

Deixando o melhor para o final, Akira Amano reúne todos os grupos identificados ao longo dos arcos anteriores para uma guerra de tirar o fôlego. Os arcobalenos recebem um recado estranho: cada arcobalendo deverá juntar uma equipe para lutar por eles, o líder da equipe vencedora, ganhará sua liberdade. Trocando em miúdos SÃO AS BATALHAS MAIS PUTAQUEPARIVELMENTE FODAS de TODO o mangá. Detalhe, cada arcobaleno terá direito há TRÊS MINUTOS em sua forma original. É simplesmente lindo! *0*

14 de dez de 2013

Café Literário (Edição Extra) – Dezembro de 2013


Eu ouço falar do Café Literário desde a primeira vez que fiz o Pré-Vestibular (em 2009 acho). Mas por questões de horário, local ou falta de grana eu nunca consegui ir. Mas dessa vez consegui jogar todas as desculpas no ralo.

O café Literário é um projeto do SESC ES e tem como proposta ser espaço permanente de diálogo, leitura de textos, troca de experiências entre o público e aqueles que produzem literatura ou que possuam atividades afins, como jornalistas culturais, escritores, filósofos, críticos, professores, editores e todos que se interessem pelas áreas do pensamento.

Nesse semestre o escritor escolhido para ser discutido foi Rubem Braga (1913 – 1990). Infelizmente, eu não sabia que as reuniões eram mensais. E desde o ano passado, eles fazem um encontro extra, voltado para os vestibulandos. Foi o que eu consegui ir.

Os livros discutidos foram Zero (Douglas Salomão) e Ai de ti, Copacabana (Rubem Braga). O próprio autor de “Zero” participou do diálogo, enquanto a obra de Braga foi apresentada pelo Francisco Grijó (aproveitei a chance para levar o meu exemplar do novo livro dele para ser autografado. :3). A conversa foi mediada pelo professor Lino Machado.


Foi muito bom participar dessa conversa, mesmo que apenas como expectadora. E eu estou ansiosa para poder participar do próximo. =D

Douglas Salomão, Lino Machado e Francisco Grijó

11 de dez de 2013

Once Upon a Time – 1ª Temporada



Branca de Neve (Ginnifer Goodwin) e o Príncipe Encantado (Josh Dallas) finalmente tiveram seu final feliz depois que a Rainha Má (Lana Parrilla) foi derrotada e expulsa do Reino. Será esse mesmo o final da história? De acordo com essa série de 2011, não.

Em seu plano mais diabólico, a Rainha Má lança uma maldição que jogará todos os habitantes do Reino em uma terra sem magia, acabando com todos os finais felizes dos personagens de conto de fadas. Um lugar em que suas memórias estariam perdidas e onde ela teria o controle máximo de tudo. Existe apenas um elo fraco nessa maldição: Emma Swan (Jennifer Morrison), uma órfã que vive uma existência solitária trabalhando como fiadora e caçadora de recompensas. Ok, mas o que Emma tem a ver com essa história toda? Bem, ela é a filha de Branca de Neve de Príncipe Encantado. De acordo com uma profecia feita por Rumpelstiltskin (Robert Carlyle), somente ela terá poderá salvar as memórias dos personagens dos contos de fadas e levá-los de volta ao Reino Mágico.

Os episódios englobam duas realidades diferentes, porem complementares: uma se passa no Reino Encantado. A outra, em Storybrooke, cidade que abriga os personagens de contos de fadas amaldiçoados pela Rainha Má. A partir desses dois contextos, cada episódio aborda um ou vários personagens diferentes, sempre envolvendo os personagens principais.

Episódio 04: “The Price of Gold” - É noite de baile no Reino, Cinderela vê suas irmãs e madrasta irem ao baile. Esse é o primeiro episódio em que Rumpelstiltskin (Rumple para simplificar) mostras seus dons de negociação. Mas e a Fada Madrinha? Bom... Ela virou purpurina. (=x) Enfim... Nesse episódio ele se firma como o “segundo vilão” das histórias de contos de fadas, atrás somente da Rainha Má... Por enquanto. =x

O que me leva a uma das características que mais gosto na série: o mesmo personagem pode assumir papeis diferentes em histórias diferentes, sem perder sua própria identidade. Um exemplo é o próprio Rumple: na maioria das histórias, ele é tido como o vilão, mas no episódio 12, ele assume outra função dentro de outra história. Assim como Branca de Neve e Chapeuzinho Vermelho que, juntas, fazem uma breve referência á história “Branca de Neve e Vermelha de Rosa”.

Momento confissão: eu já estava planejando rever OUT há um tempinho, mas acelerei o processo por um motivo: Jamie Dornan. Na série, ele faz o papel do caçador incumbido de tirar o coração de Branca de Neve. Acontece que essa pessoa foi recentemente oficializada como Christian Grey nas telonas. (:3)
Por falar nele, Episódio 07: "The Heart Is a Lonely Hunter” – Graham é o Xerife da cidade. Após roubar um beijo de Emma, ele começa a se lembrar de sua vida como Caçador. No Reino Encantado, o Caçador é contratado pela Rainha Má para tirar a vida de Branca de Neve, mas seu coração puro o impede de matá-la. Infelizmente, nesse episódio acontece uma perda irreparável (perda que, por sinal, ainda não me recuperei). =(

Eu vou abrir um precedente para os personagens também. E essa série possui VÁRIOS que merecem cada comentário. Além do Rumple (acho que já deu para perceber que ele é o meu favorito), eu destaco o Henry, filho biológico de Emma e filho adotado de Regina (Rainha Má). Esse guri é muito irado! É um dos mais espertos da série e mesmo os “vilões” se surpreendem com o que ele é capaz de fazer. Foi graças a Henry que Emma foi parar em Storybrooke.

Episódio 12: “Skin Deep” – EU AMO A HISTÓRIA DE A BELA E A FERA!

Episódio 14: “Dreamy” – Dessa vez, o personagem alvo é Dreamy, um anão sonhador que se apaixona por uma fada. Em Storybrook, uma festival para arrecadar donativos para o convento da cidade reaproxima a amizade entre Mary Margaret e Leroy (um vigia muito zangado com tudo e com todos). Assim como o episódio 12, esse me fez ficar com os olhos brilhando do inicio ao fim. *-*

Episódio 17: "Hat Trick” – O alcance de Once Upon a Time se expande, englobando também as histórias de Alice, de Lewis Carroll. Enquanto Emma procura por Mary Margaret, ela acaba encontrando Jefferson, um homem estranhamente obcecado por chapeis.

Episódio 19: "The Return” – O centro das atenções dessa vez é Rumpelstiltskin e o estranho escritor que chegou a cidade. Talvez esse tenha sido um dos raros momentos da temporada que eu fiquei com pena do Rumple.

Apenas mais um comentário: poucas seasons finales foram tão ÉPICAS quanto essa.
Atualmente, a série está em sua terceira temporada e recentemente, ganhou um spin-off, Once Upon a Time in Wonderland (assunto para outro post).

7 de dez de 2013

Sherlock - 1ª Temporada



Volte e meia eu falo que não sou muito chegada aos livros de Sherlock Holmes... Mas eu gosto bastante de conhecer as adaptações em que eles aparecem, é meio que uma maneira de me incentivar a pegar os livros, sei lá.

Essa temporada foi exibida em 2010 no canal BBC em três episódios de 90 minutos cada (recentemente descobri que teve um episódio piloto não exibido), e tem Benedict Cumberbatch como Sherlock e Martin Freeman como Dr. John Watson. A proposta da série é trazer o detetive de Sir Arthur Conan Doyle para o século XXI, mantendo, é claro, conexões as histórias originais.

Essa foi a primeira vez que assisti ao episódio piloto. Eu não tenho como não dizer outra coisa além CARALHO, QUE FODA. (Perdoem-me o palavrão) O Sherlock vê o Watson por, sei lá, 10 segundos, e consegue dizer onde estudou, sua profissão, onde serviu, sobre seu suposto ferimento na perna, que tipo de relação ele tem com o irmão e sobre a separação do irmão. A propósito, ele é capaz de te pedir para atravessar a cidade apenas para pegar seu telefone emprestado (a expressão do Watson é impagável. xD)

Basicamente, temos duas versões de como os dois se conhecem e se aliam: a do episódio piloto, propriamente dito, e a do episódio que foi exibido como o primeiro da série. Nas duas situações, Sherlock faz uma entrada... Peculiar e impactante. Sinceramente, eu prefiro a do episódio oficial. Na verdade, pouca coisa foi mudada entre as duas versões. O nome é o mesmo, o caso é o mesmo... A diferença ficou na maneira em que os personagens e o caso são apresentados... E em alguns detalhes... =x

Ultimo episódio da série. Sherlock está entediado... E ele não é o único. Apesar de ele ter sido citado no primeiro episódio (o oficial), e confirmado como antagonista de Sherlock, Moriarty começa a envolver o detetive londrino em um jogo perigoso. Lindo, lindo demais! *-*

Como vocês puderam perceber, essa série é de curta temporada. O que sinceramente é ótimo por que ter paciência para aturar dez episódios de 90 minutos e de alguém tão... Excêntrico como o Sherlock de Benedict é uma prova de resistência para poucos. E eu nem sei dizer se teria temas para tantos episódios.
  
O bom é que a terceira temporada começará ainda esse mês (o que me lembra de procurar desesperadamente o dia de exibição do episódio).

4 de dez de 2013

Memnoch – Anne Rice


O quinto livro das Crônicas Vampirescas é segundo dizem, um dos mais sombrios da coleção. (O que mais está me deixando preocupada, no entanto, é o fato de estar chegando cada vez mais perto da única edição que falta na minha coleção para que eu possa ler os outros livros. =P)

De fato, ao invés do inicio brincalhão e travesso que Lestat sempre faz, vamos um imortal assustado e, de certa forma, até coagido. Durante seu esporte preferido, observar suas vitimas antes de dar o bote fatal, Lestat se vê perseguido por alguma entidade estranha.

A Vítima no caso se chama Roger, um vigarista colecionador de artes sacras medievais. O curioso é que o desenrolar da história, até agora (26/11/13, 23h26min), está literalmente encarnando a frase “Quando a morte conta uma história, você deve parar para escutar”. Só que no caso, é o morto que está contando a história. (=P) Não preciso dizer que achei essa conexão, no mínimo, curiosa.

Roger conta a Lestat sobre sua vida, sobre sua coleção e obsessão de vida (um escritor medieval chamado Wynken de Wilde) e sobre sua filha Dora. A conversa deixa Lestat ainda mais apaixonado por sua vítima, e mais desolado por ter levado a morte a ele.

Por falar em Dora, não demora muito até ela conquistar o coração de nosso príncipe, e teve direito até a devaneios sobre a Bela e a Fera vivendo em um convento transformado em palazzio. O que me surpreendeu, é que foi a primeira vez que Lestat realmente não cedeu a uma tentação. Ele mostrou tanto cuidado e zelo com a humana, que eu caí de amores por ele. De novo.

Pois bem, a “Coisa” finalmente se revela, Memnoch, o Demônio, quer que Lestat seja seu braço direito, seu príncipe na oposição a Deus. Após ponderar sobre o pedido de Memnoch, Lestat oferece a chance de ser persuadido a aceitar a proposta.

A descrição do paraíso feita por Lestat é tão abstrata que chega a ser incrível. Mas essa é apenas a primeira parte da história. Ao falar sobre si, Memnoch fala sobre Deus, sobre a criação do mundo e do homem, da matéria inorgânica à orgânica, de como os homens foram criados à imagem e semelhança do próprio Deus e dos anjos. Sim, Memnoch é um anjo... Um anjo que não entendeu os rumos da criação de Deus (a humanidade), que foi incumbido de entendê-la e que foi sentenciado a se juntar a ela depois de conhecer a plenitude do amor carnal. Um anjo com a missão de encontrar, ensinar, guiar e tornar as almas humanas dignas de habitarem na Corte Divina.
  
E eu realmente achava que essa série não poderia ficar melhor. Enganei-me profundamente. Memnoch é intenso, sombrio, desafiador e, simplesmente, incrível.

1 de dez de 2013

You're My Pet



Depois de MUITO, mas MUITO tempo, vamos a primeira resenha de um filme Sul-Coreano do Blog. (Sugiro que respirem fundo e leiam com calma, os nomes sul-coreanos possuem uma tendência a virar um trava-línguas)

You’re My Pet é uma produção de 2011, baseada em um mangá de mesmo nome.

Ji Eun Yi (Kim Há Neul) é uma mulher jovem e ambiciosa que trabalha no departamento de moda de uma importante revista. Depois de várias experiências amorosas desastrosas, ela decide que é preferível a companhia de um pet a de um namorado. Voltando do trabalho em um dia de chuva, Eun Yi se depara com Ho Gan Em (Jang Geun Suk), um jovem dançarino que não gosta de fazer trabalhos domésticos. Após descobrir que Gan Em havia pago seis meses de aluguel adiantado a seu irmão, Eun Yi se vê obrigada a aceitar Gan Em em sua casa. Apesar de ter ficado uma fera, Eun Yi cede à proposta de Gan Em: em troca de casa e comida, Eun Yi poderia tratar Gan Em como um pet, e ele a retribuiria com o amor incondicional e lealdade que todo cãozinho oferece a seu dono. E com a vantagem de entender exatamente a todos os comandos dela.

Assim surge Momo, um animal de estimação humano. A cena em que ele assume sua condição de pet é simplesmente linda!

Com o passar do tempo, a relação dos dois começa a ganhar um sentido além de dono/pet. Caso alguém pegue esse filme para ver, já aviso logo, você dificilmente encontrará beijos cinematográficos (um selinho estático, no final da história, no máximo, e olhe lá) em uma produção oriental, um casal andando de mãos unidas é raro. E essas características não fazem a produção perder o romantismo, pelo contrário até.
Eu conheço o Geun Suk desde 2010 acho, quando vi o dorama You’re Beautifull (um dia re-assistirei e resenharei). Ele é ótimo ator. Talento é pouco para descrevê-lo (ele é considerado um dos melhores da Coréia do Sul). Nesse filme, ele está simplesmente DI-VI-NO! Ele está esbanjando fofura até quando aparece tomando leite (de canudinho, como um bom pet humano faria). E ele faz uma cara de cachorro abandonado que, derrete até o coração mais gelado. (xD) 

O filme pode ser encontrado no link de Arquivo de Downloads do Blog.