12 de jan de 2014

Cretino Irresistível – Christina Lauren

Começo a ler esse livro triplamente feliz: primeiro por que estava NECESSITANDO de algum título desse século, segundo por que estava BABANDO por essa coleção há muito tempo (questões financeiras e objetivos literários me impediram de adquiri-la) e terceiro por que esse título em específico veio com uma LINDA dedicatória de uma amiga muito querida e preciosa como presente de Natal.



Além da capa e do título, o que me chamou atenção foi a textura das folhas (principalmente nos cantos). O papel Norbrite 66,6 g/m² é mais áspero e de coloração mais cremosa que os que estão sendo publicados atualmente (ou pelo menos, dos que tenho a chance de folhear). Além do conforto à visão, a aspereza da folha dá um charme à mais no desencadear da leitura.

Chloe Mills é uma mulher decidida, esperta e segura de si. Sempre dedicada e focada em seu trabalho, Chloe sempre foi bem vista pelos donos da empresa em que trabalha e nunca havia tido problema em controlar suas ambições sexuais. Pelo menos não antes de Bennet Ryan chegar da França e assumir o posto de seu chefe. “Exigente, insensível, sem consideração... E completamente irresistível”. De fato, um belo cretino.

(Diferentemente da história de Cinquenta Tons) Não há amadores nesse jogo de recompensas e punições, tanto Chloe quanto Ryan sabem exatamente do que gostam de fazer e de receber. Eles sabem fazer as jogadas certas, no momento certo e da maneira certa. E ambos gostam de comandar a partida.

A narração é feita em primeira pessoa. Mas a JOGADA DE MESTRE dessa autora foi revisão os capítulos entre os personagens. Se em um capítulo temos Ryan descrevendo a f*** no provador da loja de lingeries, no outro Chloe nos mostra como foi o pós-f***, por exemplo.

Agradou-me bastante o fato de Chloe ter personalidade tão forte quanto a dele. Agradou-me o fato de ele ter percebido que sim, ele realmente era um babaca de marca maior com ela. Agradou-me o fato de ela ter percebido que, se ele, sendo tão exigente quanto era em seu ambiente de trabalho, a manteve durante tanto tempo como sua estagiária, era por que ele sabia que ela era competente o suficiente para conseguir responder a essas expectativas. Agradou-me o fato de eles terem chegado a um relacionamento de igual para igual no final do primeiro livro.

E o romance? Há bem pouco na verdade. Superficial? Provavelmente (o maior dilema aqui é se Chloe vai arriscar sua carreira expondo/mantendo sua relação com o chefe). Melhor ou pior que Cinquenta Tons? Apenas menos polêmico (Bennet exige dedicação e competência no ambiente de trabalho). A narrativa é melhor e mais dinâmica (já que temos os dois lados da história). Fora que não há aquela necessidade esmagadora por controle. Christian ou Bennet? BENNET. 

(E a leitura veio em um ótimo momento para a minha fanficion =x)

Nenhum comentário

Postar um comentário

Então, o que achou da postagem?
Vamos, não se acanhe! Será muito prazeroso ouvi-lo! (Mas seja educado por favor. ^^)
Ah sim! Se você tiver um blog, deixe seu endereço para que eu possa retribuir a visita. ;)