30 de jul de 2014

Sherlock - 3º Temporada


Exibida no início desse ano, a série trouxe mais três episódios do Sherlock Holmes de Benedict Cumberbatch (que por sinal, parece ter sido feito sob medida para o papel).

Às vezes, quando um personagem principal morre, você simplesmente se desespera, outras vezes você só pensa: "Mas peraí, se ele morreu, como diabos eles confirmaram uma terceira temporada?" Tcharaaam! Sabe de nada, inocente. rsrsr

Não existe outra palavra para essa temporada além de incrivelmente HILÁRIA! Finalmente o Sherlock de Benedict foi "humanizado" (será?), e ao mesmo tempo, ele continua o sociopata sem o mínimo de bom senso no trato de pessoas, mas você não consegue parar de rir! 

Pelo menos nos dois primeiros episódios, por que no último, como sempre, você não consegue sequer respirar de tão tenso. A única reação que se consegue fazer é segurar o queixo para não cair.

Ao que parece, a série foi renovada para mais uma temporada, que receberá um episódio especial. Mas não há data de lançamento.

27 de jul de 2014

Descubra Seus pontos Fortes - Marcus Buckingham e Donald O. Clifton


Conhecer profundamente nossos talentos pessoais e usá-lo de forma consciente é o único caminho para a excelência.  

A proposta deste livro é apresentar um programa que o ajudará a reconhecer suas maiores habilidades e parar de perder tempo naquilo que você não é bom. Além desse programa, o livro também dá acesso a um teste desenvolvido pelo Instituto Gallup que ajuda a pessoa a identificar seus traços dominantes. 

Falando em relação às empresas, aquelas em que seus colaboradores sentem que tem seus pontos fortes mobilizados todos os dias é mais poderosa e mais forte. 

Definindo como ponto forte “um desempenho estável e quase perfeito em determinada atividade”, os autores revelam três princípios para se ter uma vida mais produtiva: 

  1. Você deve ser capaz de realizar a tarefa de forma consistente (repetidamente e com alguma satisfação); 
  1. Você ao precisa ter pontos fortes em todos os aspectos envolvidos em sua função para se destacar (mas faça o melhor que puder com as cartas que tiver); 
  1. Você só vai se destacar maximizando seus pontos fortes, jamais consertando suas fraquezas. 

Confesso que, após fazer o teste e ler sobre os resultados (segundo os quais meus pontos fortes são Contexto, Estudioso, Foco, Intelecção e Harmonia), e de ler sobre eles, fiquei um pouco perdida: havia sim, algumas coisas vi encaixe com que sou, já em outras, nem tanto. 

As coisas se encaixaram melhor quando fui para a parte que dá dicas de como lidar com cada "tema" de Ponto Forte: posso dizer que, pelo menos 80% de todas as dicas dadas nos meus temas, condizem com a maneira com que eu gosto de ser tratada em ambiente profissional e que me estimulam a continuar na função (e na empresa). Essa parte talvez seja uma das mais proveitosas do livro. 

A ultima parte do livro, mais especificamente o capítulo 7, é mais voltado para o relacionamento da parte gerencial de uma empresa com os Pontos Fortes, mas até que é bastante interessante de ser lido por que por quem (ainda) não faz parte dessa parcela da empresa. 

Antes de encerrar a resenha, acho que vale a pena dizer que o teste apresentado nesse livro não diz que você não possui os 35 temas de talento encontrados. O que ele faz é destacar os cinco em que você mais possui afinidade. Tanto é, que se você for no site da pesquisa, você poderá ter acesso aos seus 10 temas de talentos, ou até á lista completa, com os temas de talento colocados, vamos dizer, por ordem de significância: Quando mais ele se destacar, mais no topo ele aparecerá e mais resultado você conseguirá caso se comprometa a desenvolvê-lo. 

23 de jul de 2014

Herdeiros do Trono - Elysanna Louzada


Confesso: nunca havia ouvido falar dessa história ou dessa autora antes de encontrá-lo na FLICA (Feira Literária Capixaba). Mas a sinopse me envolveu bastante (e o preço também) e depois de uma hora me torturando com a questão "comprar ou não comprar?", comprei. 

O mundo se chama Petra. Ele é dividido em doze reinos e governado por um único rei e por uma única rainha. Governantes de quem eram exigidos justiça, amor e obediência às Leis da Criação. Os personagens principais são Pedro, Eloíse, Tommy e Laura, quatro adolescentes que cresceram em uma cidade onde a maioria mestiça era discriminada por uma minoria nativa. 

Existe um mistério em torno da origem dessas crianças, Pedro e Eloíse cresceram sem saber do pai e sua mãe sempre se fechou em informações vazias. Inicialmente era o que bastava, até que Eloíse, mexendo nas coisas da mãe enquanto procurava o documento de registro de Pedro, chega à verdade. 

O desenrolar da história é lento. Fazendo uma comparação à Cerberus, por exemplo, e utilizando a analogia de um carro em movimento, enquanto Cerberus é uma corrida desvairada, Herdeiros do Trono é um passeio de final de semana (não necessariamente chato, apenas lento demais). Em muitos momentos, a história pareceu querer dar aquela acelerada só para deixar um pouco de adrenalina correr no sangue, mas, aí é que tá, ficou só na vontade. 

Não vou dizer que o livro é ruim por dois motivos: primeiro por que não concordo com quem faz isso (só por que não me agradou, não quer dizer que não agrade à outra pessoa). O segundo é por que a história realmente não é ruim. Para o meu gosto, a narrativa só é lenta (e talvez um pouco previsível em algumas partes). 

Ainda lerei o segundo livro (até por que eu já o tenho) e dependendo das coisas, até me interesse pelo volume final da trilogia. Sei lá, vamos ver o que acontece.

20 de jul de 2014

The Cape – 1ª Temporada


A série se passa na fictícia Palm City, Califórnia, onde Vince Faraday, um detetive honesto decide deixar a força policial depois de testemunhar o assassinato do novo chefe de polícia por um criminoso misterioso conhecido como "Chess". Vince aceita uma oferta de trabalho para uma empresa de segurança privada chamada ARK, comandada pelo bilionário empresário Peter Fleming. A ARK está sendo cotada como empresa que comandará a força policial de Palm City.

Ao receber um e-mail de um blogueiro conhecido apenas como "Orwell", Faraday e seu parceiro, Marty Voyt, encontram um trem de carga de propriedade da empresa de Fleming que está levando explosivos dentro de brinquedos. Voyt trai Faraday e o entrega para o "Chess", que revela-se ser Peter Fleming, CEO da ARK. Fleming consegue fazer parecer que Faraday é o procurado criminoso "Chess" e envia sua equipe de segurança para captura-lo (televisionada pelos canais de notícias), terminando com uma explosão de um tanque.

A cidade inteira (incluindo a família de Faraday) agora acredita que Faraday é "Chess" e que está morto graças a ação da ARK. Faraday na verdade é levado ao "The Carnaval of Crime", um circo itinerante dedicado a assaltos a banco. Seu líder, Max Malinni, treina Faraday para usar uma capa preta especial contra seus inimigos, além de outros truques ilusionistas utilizados no circo. Max convence Faraday para não revelar sua identidade, pois isso colocaria em perigo a sua esposa e filho. Ele então decide lutar contra a corrupção Palm City e limpar seu nome, adotando o rosto do herói inspirado no gibi "The Cape", preferido do seu filho Tripp de 9 anos.

The Cape, é uma daquelas séries que não fez sucesso, mas que eu amarrei de ter assistido. Vou deixar aqui como uma dica para quem quiser se aventurar por uma série desconhecida.

Para vocês terem uma ideia do fracasso que foi, a primeira temporada deveria ter sido composta por trezes episódios. No entanto, o baixo índice de audiência fez que que o número fosse reduzido para apenas dez. 

O que eu acho que fez essa série não dar certo é o fato de que a história em quadrinhos em que herói é baseada não colou. Se vocês pensarem bem, esse monte de adaptações que está lançando por aí são histórias que de uma maneira ou de outra, já fazem parte do nosso cotidiano, que já possuem alguma leva de fãs seja dentro ou fora do público mais “especializado” na área. The Cape foi um comic completamente criado pela série. Talvez por isso quem goste de quadrinhos não levou a série a sério. Outra coisa, os personagens não são lá muito atraentes. Uma coisa puxou a outra e enfim, deu no que deu.

Mas tem uma coisa que, a meu ver, salva a série (ou pelo menos a torna menos ruim): o vilão. Peter Flemin e Chess se completam não só pelo fato de os dois serem personalidades da mesma mente, mas por terem uma maneira de agir (e por que não dizer personalidade) ao mesmo tempo semelhantes e distintas: O primeiro é um industrial calculista, que, como todo capitalista quer acumular poder e dinheiro. Já o segundo... Bem, o segundo não se importa em colocar tudo para pegar fogo no processo para realizar isso. A bem da verdade, você passa o seriado quase todo tentando descobrir se Chess é uma segunda personalidade de Peter Flemin ou se é uma entidade quase possessiva. É essa parte que é massa!

16 de jul de 2014

Desafio Um Ano Sem (Comprar) Livros - Atualização


Depois de um ano inteiro sem fazer compras no Submarino (minha ultima nota fiscal data de 25 de Junho de 2013), quebrei meu jejum e por consequência, perdi o desafio (de novo).

Eu meio que já imaginava que isso aconteceria por causa do mês passado, a Zahar (única editora que insisto em acompanhar) além de anunciar o lançamento de Robin Hood do Alexandre Dumas, anunciou também num novo box de clássicos de bolso quase 20 reais mais barato que o primeiro box lançado. E que por sinal, também entrou na promoção de pré-venda

Então... Sim, quebrei meu jejum. E com grande estilo e ainda por cima feliz da vida.

O desafio será recomeçado no próximo mês. Até lá!

15 de jul de 2014

Star Trek - The Animeted Serie


Depois que descobri que em 2016 a franquia Star Trek completará cinquenta anos em 2016, fiz um compromisso comigo mesma de, não só assistir à todas as produções, como também conhecer o máximo possível desse universo tão icônicamente (essa palavra existe?) nerd. Se tratando de vício, eu posso dizer que esse é o mais antigo (perdendo, óbvio, somente para a prática da leitura)

Seguindo a cronologia da história de Star Trek, a série animada foi feita como continuação da série clássica. Os 22 episódios foram ao ar entre 1973 e 1974. Essa produção foi feita graças à pressão feita pelos fãs. Além de seguir um guia de roteiro basicamente igual ao usado na série clássica, as dublagens foram TODAS feitas pelos atores originais da série (coisa que, por sinal, eu achei incrivelmente IRADO!).

Alguns episódios possuem história inédita em relação à série clássica, outros revisitam episódios da série original modificando parcialmente o enredo (por exemplo é o episódio “More Tribbles, more troble”). E há episódios bem estranhos também, tipo o “The Magicks of Megus-Tu”.

Star Trek: The Animated Series foi eleita a 96ª melhor série de animação de todos os tempos pela IGN. Eles declararam que apesar da série sofrer de limitações técnicas, seu formato permitia uma maior liberdade e criatividade do que era possível na série original.

Até que foi divertido ver os personagens em animação, algumas coisas foram melhoradas, tipo os alienígenas que apareceram, mas, sinceramente, eu prefiro a série clássica.

11 de jul de 2014

A Volta do Poderoso Chefão - Mark Winegardner



A história por trás da publicação desse livro foi interessante: depois do mega sucesso tanto do livro quanto do filme de O Poderoso Chefão, Mario Puzo começou a ser pressionado para continuar a série atando as pontas soltas deixadas no livro. Ele se recusou, mas, ao que parece, deixou a questão em aberto para que outra pessoa pudesse fazê-lo. O editor de Puzo e o filho mais velho dele fizeram um concurso para que fosse escolhido o "novo escritor da série". O vencedor foi Mark Winegardner.

Usando a frase de contra capa do livro, "A Família Corleone está de volta!" (=D). 

Quando a confusão inicial (algo normal nos inícios de história da máfia) passa, quase na metade do livro, o clima de suspense tradicional dos romances de Mario Puzo retorna. Você fica tenso, tentando não perder o mais ínfimo dos detalhes, enquanto junta as poucas peças do quebra-cabeça que já estão disponíveis.

No entanto, a quantidade de personagens, de Famílias envolvidas e de tramoias em torno de um objetivo (a meu ver) não muito inteligente de Michael Corleone, deixam a leitura um pouco chata. São muitos fios, muita coisa encoberta por trocentas entrelinhas, e, sinceramente, a recusa de Puzo em continuar a história de O Poderoso Chefão fez muito sentido.

Não que ele tenha estragado a história. Ele apenas a tornou mais confusa e menos épica. Estranho, eu sei, mas foi exatamente isso que me pareceu.

Tanto é que somente no capítulo 17 ou 18 é que a trama finalmente consegue se desenrolar com mais fluência. Isso é bastante coisa se levarmos em consideração que o livro inteiro possui 32 capítulos. E as coisas não só fluem com mais facilidade, como também ficam MUITO mais interessantes. É a segunda metade da história que fazem o livro valer a pena.

8 de jul de 2014

Frozen – Uma Aventura Congelante (Frozen)



Por mais estranho que pareça, consegui sobreviver à febre que foi quando esse filme saiu nos cinemas e também quando ganhou o Oscar de Melhor Filme de Animação. Contudo, todavia, entretanto, o assunto voltou a galopes quando a personagem principal de Frozen apareceu na Season finale de Once Upon a Time. E como estamos falando da minha série favorita... Bem, eu me rendi.

Esse é um filme de 2013 e é o 53º produzido pelos Estúdios Walt Disney (na verdade o nome correto seria:  Walt Disney Animation Studios, que é divisão dos Estúdios Walt Disney que cuida das animações, mas isso não vem muito ao caso aqui :P) .

Elsa, filha mais velha do rei e da rainha de Arendell, nasceu com a capacidade mágica de criar gelo e neve. Um dia, enquanto brincava com a irmã Anna, ela acidentalmente acerta-lhe com um raio gelado. Então Elsa é trancada no castelo para aprender a controlar seus poderes até o dia de sua coroação.  Após acidentalmente condenar o reino a um inverno eterno, ela foge e auto exila-se num castelo de gelo. Agora cabe a Anna e Kristoff, um destemido homem da montanha, partirem numa jornada para trazerem Elsa de volta a Arendelle e reverterem o inverno em verão com a ajuda de Olaf um boneco de neve criado por Elsa.
  
E apenas para anotação! GENTE DO CÉU! QUE FILME DIVERTIDOOOOOOOO! *-*

Adorei a primeira canção e tipo... Não teve nada de bobinho, foi uma animação mais madura e caraaamba que músicas lindas! E acho que foi o primeiro filme relacionado aos contos de fadas (a história é vagamente inspirada no conto de fadas A Rainha da Neve, de Hans Christian Andersen) que o ato amor verdadeiro não envolve o casal propriamente dito, e sim o amor entre as irmãs Elsa e Anna. Essa mudança foi muito legal na verdade.

5 de jul de 2014

White Collar - 5º Temporada


Depois de passar o ano tentando recuperar o rombo feito pela ideia (“genial”) de rever algumas das séries que estava acompanhando, finalmente me lembrei de que falta a quinta temporada de White Collar.

E já no primeiro episódio temos participação especial: Mark Sheppard reaparece na série como Curtis Hagen, ladrão que Neal colocou na cadeia a na season finale da primeira temporada. E ele volta com uma proposta que pode tirar Peter da prisão em que ele foi colocado graças ao pai de Neal. E eu continuo achando incrível a habilidade do Peter de fazer o Neal ficar com consciência pesada.

Para tudo! Episódio 04: Controlling Interst – Um cara aparentemente (muito) drogado quase invade o escritório do FBI e confessa um roubo. A investigação leva Neal e Peter a uma doutora... Maluca, pirada de pedra. O destaque do episódio é a crise psicótica de Neal. Cara, que episódio lindo! Rsrsrs

E não é só o personagem de Mark Sheppard que retorna, toda a sensação de caçada ao tesouro, Neal sendo Neal em TODOS os sentidos da palavra, Peter ainda com um pé atrás em relação à Neal (acho que isso nunca vai mudar), tudo isso reaviva a vontade de não conseguir parar de ver White Collar seguidamente (exatamente como a que eu fiz para escrever essa resenha. :x)... Não é à toa que a série ainda está entre o meu TOP 10.

Se Neal Cafrey, em pleno gozo de suas faculdades mentais, tendo consciência de suas habilidades adquiridas depois de anos em anos de trabalho em capo, imaginem como seria a mentalidade desse lindo criminoso tendo recebido o treinamento de um agente federal. A dinâmica da season finale é, basicamente, essa...
  
A sexta temporada está confirmada para ter início em Março do próximo ano. Alguns rumores indicam que a próxima será a última temporada da série.

Apenas mais um comentário.... Os créditos finais fizeram com que eu me lembrasse o motivo de Matt Bomer ser o Christian Grey dos meus sonhos, que dizer... Olhem isso: