2 de ago de 2014

Wild Cards: O Começo de Tudo - George R. R. Martin


Em um belo dia de verão, o matador mais querido dos leitores de fantasia, George R. R. Martin, resolveu juntar alguns amigos, também escritores de fantasia e ficção científica, para jogar um RPG em um cenário criado por ele.

O resultado dessa brincadeira? Os 22 livros de Wild Cards, organizados e editados pelo próprio George Martin. As publicações começaram em 1987 e somente agora estão chegando ao Brasil.

O mundo de Wild Cards é semelhante ao nosso. A Segunda Guerra Mundial acaba de ser finalizada. Até que, em uma noite, uma nave espacial pousa em Washington e seu tripulante, um alienígena de anatomia semelhante a nossa, pede ajuda para recuperar um globo que conteria um vírus (que mais tarde ficou conhecido como cartas selvagens) com capacidade de provocar milhares de mortes ou ainda desenvolver estranhas e imprevisíveis habilidades nos seres humanos. A conversa não convenceu os federais. Quando eles perceberam a verdade, já era tarde demais.

O vírus espalhado, dividiu a população em três segmentos: os humanos normais; os curingas, monstros hediondos, deformados pelos efeitos das cartas selvagens; e os ases, superseres com poderes exóticos, muitas vezes, únicos.

Quem conhece a estrutura de narração de "As Crônicas de Fogo e Gelo" (cada capítulo sendo narrado por um personagem, seguindo vários eventos ora diferentes ora iguais), pode achar que Wild Cards segue o mesmo esquema.  No entanto, as coisas não são exatamente assim. Cada autor criou um (ou mais de um) personagem próprio que é inserido na trama maior, que é a progressão da história.

Fazendo uma breve descrição do esquema, o prólogo conta o dia em que o extraterrestre conhecido como Tachyon chegou a uma base militar anunciando a ameaça do vírus alienígena. O primeiro personagem, Croyd, narrou com detalhes o dia em que o vírus se espalhou pelos Estados Unidos e os poderes que se manifestaram nele. Depois da metade do livro, já estamos vinte (ou trinta) anos a frente da infestação das cartas selvagens, e as manifestações de ases e curingas continuam surgindo em diferentes gerações.

Os personagens de histórias anteriores não são necessariamente esquecidos. Pode acontecer de um ou mais ases/coringas aparecer e interagir com o narrador (ou narradores) da vez ou mesmo ser apenas citado como um rumor ou manchete de jornal. O mais recorrente de todos é o Dr. Tachyon, o alienígena que tentou impedir que o vírus da carta selvagem se espalhasse na Terra.

E por incrível que pareça, não houve matança no capítulo escrito pelo Tio Martin. Em compensação, o capitulo "Fios", de Stephen Leigh, foi digno do prêmio de "Sanguinário da vez".

A história apresenta ainda dois apêndices, com relatos de autoridades no assunto cartas selvagens e um artigo apresentado em uma conferência sobre o assunto.

2 comentários:

  1. Oi Luiza
    Apesar de já conhecer a capa do livro, não sabia nada sobre a trama dele, por isso me interessei pela resenha, que por sinal está ótima, muito esclarecedora. Também não sabia que tinha participação de outros autores. Mas 22 livros!!! haja trama.

    Abraços,
    Gisela
    @lerparadivertir
    Ler para Divertir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Gisela! E eu que tinha dito que iria fugir dessa coleção acabei comprando os primeiros volumes por engano... kkkk
      Só nesse livro são 6 autores diferentes, muitos até então desconhecidos. Dá para conhecer bastante gente por meio de Wild cards. ;)

      Excluir

Então, o que achou da postagem?
Vamos, não se acanhe! Será muito prazeroso ouvi-lo! (Mas seja educado por favor. ^^)
Ah sim! Se você tiver um blog, deixe seu endereço para que eu possa retribuir a visita. ;)