12 de set de 2014

A Mulher da Gargantilha de Veludo e Outras Histórias de Terror - Alexandre Dumas


Esse era para ser mais um dos livros que estavam quase completando aniversário na lista de “para serem lidos”. Mas esse não foi por esquecimento (até por que é impossível esquecer um Zahar abandonado), foi mais uma tentativa de prolongar ao máximo o prazer de ler uma edição tão maravilhosa quanto a dessa editora. <3

Depois de alguns livros mais contemporâneos, voltar aos séculos passados se tornou uma tarefa um pouco difícil, e foi daí que surgiu a vontade de resgatar esse livro.

Uma coisa que aprendi a gostar nas edições da Zahar (além das próprias edições) é da apresentação inicial. Os textos, caprichosamente montados, fazem uma rápida biografia do autor e montam um paralelo com suas influencias, criações, maneiras de ser, momentos marcantes e, minha parte favorita, algumas características que tornaram o autor e a obra imortais.

Essa já é a terceira apresentação de uma obra de Dumas que leio, e me impressionou bastante ver o quão diferente elas são de uma para outra. Tipo, em O Conde de Monte Cristo (que ainda estou lendo) ficou claro que havia uma forte influência de As Mil e Uma Noites. O que eu não sabia era que essa obra foi determinante para a iniciação de Dumas como escritor.

As apresentações da Zahar costumam também fazer uma análise (ora complexa, ora simples) da obra, novamente, criando e/ou expondo pontos de convergência com a vida do autor, suas obras, amizades pessoais e profissionais, além de várias passagens de diversos estudiosos literários. É lindo demais! Não posso fazer outra coisa além de parabenizar Heloisa Prieto pelo incrível texto de apresentação.

A edição traz duas novelas de Dumas: 1001 Fantasmas e A Mulher da Gargantilha de Veludo, além de ilustrações originais e notas dos tradutores e do autor.

1001 Fantasmas

A história é narrada pelo próprio Alexandre Dumas. Em uma temporada de caça fora da cidade de Paris, ele se afasta de seu grupo de amigos e acaba parando em uma cidadela interiorana. Lá, enquanto andava, passa por ele um homem apavorado e com mãos ensanguentadas. Esse homem, interrompe o almoço do prefeito e confessa o assassinato de sua esposa. No depoimento, ele conta que, após decapitá-la, a cabeça falou com ele como se se ela estivesse tão viva quanto eu ou você. Assustador não?

Mas não para por aí. Depois desse acontecido, os que testemunharam a confissão do assassino acabam relatando suas próprias experiências com o sobrenatural, e cada história foi mais assustadora que a outra.

A Mulher da Gargantilha de Veludo

Diferente da primeira novela, o narrador, dessa vez, está separado do personagem. E uma coisa curiosa dessa novela é que todos os personagens (ou grande parte dele pelo menos) realmente existiram. Alguns inclusive eram conhecidos de Alexandre Dumas. E as referências a escritores, músicos, instrumentistas e reis franceses e alemães são tão corriqueiras quanto as referências a obras românticas, personagens e mitos (tudo explicadinho em uma nota do tradutor). Claro que nem tudo aqui foi verossímil, mas que deve ter causado uma boa dose de comentários naquela época, isso sem dúvida.

O próprio personagem principal é um escritor alemão: E.T.A. Hoffmann. Visitando Paris em 1793, em plena época da guilhotina, ele conhece um misterioso médico, uma linda e estonteante bailarina e o ciumento e poderoso amante dela. Esse estranho trio envolvem o jovem protagonista em um impressionante e trágico delírio amoroso.

O livro contém ainda dois capítulos extras compostos por dois escritos de Dumas à época em que 1001 Fantasmas e A Mulher da Gargantilha de Veludo foram escritas. Ambas são tão intimamente ligadas às histórias que poderiam servir de prefácio, mas que, por opção da Zahar, foram colocadas como apêndices.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Então, o que achou da postagem?
Vamos, não se acanhe! Será muito prazeroso ouvi-lo! (Mas seja educado por favor. ^^)
Ah sim! Se você tiver um blog, deixe seu endereço para que eu possa retribuir a visita. ;)