29 de jun de 2017

A Senhora de Wildfell Hall - Anne Brontë


As icônicas irmãs Brontë (Charlotte, Anne e Emily) foram escritoras do século XVIII que desafiaram convenções e entraram para a história da literatura inglesa ao entregar ao mundo histórias como O Morro dos Ventos Uivantes (Emily), Jane Ayre (Charlotte) e Agnes Grey (Anne).

A mais nova das Brontë, Anne, também escreveu The Tenant of Wildfell Hall, em 1848, que a Editora Record traduziu como A Senhora de Wildfell Hall nessa linda edição de texto integral lançada em maio.

A estrutura do texto chama atenção: iniciada como uma carta sem data do narrador para seu amigo Halford, ele se predispõem a contar uma história "detalhada e interessante dos acontecimentos mais impressionados de sua juventude". Na carta, o narrador comenta que, na época em que o amigo lhe contara sua história, ele ficara magoado por ele não tinha nada para lhe contar em retribuição. Mas que agora, era, segundo ele, o momento propício para relembrar o passado.

E assim retornamos ao outono de 1827: Gilbert Markan é um fazendeiro de um condado não especificado que se manteve no ofício do pai a seu pedido, não desejado nada para o filho além da segurança que a propriedade da família pudesse lhe proporcionar. A cidade é pequena (ao ponto que somente três ou quatro famílias merecem algum destaque), todos se conhecem a anos e a fofoca corre solta (como em toda cidade de interior da época imagino).

As velhas fofocas recorrentes são esquecidas quando uma estranha chega à cidade e ocupa Wildfell Hall, a antiga casa do maior proprietários de terra da vizinhança, abandonada a mais de quinze anos, quando seu atual dono mudou-se para uma residencia mais moderna e mais próxima da cadela local.

A nova moradora, uma jovem viúva de 20 ou 25 anos, mudou-se com o filho de cinco anos e parecia mais que determinada em manter-se o mais socialmente afastada que fosse possível (o que era bem pouco para seu gosto graças às vizinhas que usavam de qualquer artifício para aproximar-se dela e lhe arrancar informações sobre seu passado).

De maneira suave, e sem qualquer segunda ou terceira intenção, Gilbert e Sra. Graham, mais tarde, Helen, passam a dividir uma amizade tenra, mas que ela, ao perceber que ele alimentava sentimentos além da amizade, advertiu-o que nada além de amizade poderia acontecer entre eles.

Depois de alguns capítulos dolorosos, o segredo de Helen nos é revelado, por meio de seu diário pessoal, que ela entrega a Gilbert para que ele pudesse entender seus motivos. Achei incrível como ela conseguiu mudar os narradores sem mudar a estrutura da narração e nem o tom da fala. tanto um quanto o outro, expuseram seus sentimentos e segredos no papel de forma tão similar que não me admirou ter nascido um sentimento mais forte que a amizade.

A leitura não é do tipo que se pode fazer apressadamente (aliás, se não me falha a memória, poucos entre os escritos no século XVII possuem essa característica), Anne te convida a uma leitura calma e reflexiva dos personagens e da sociedade que os cerca. Aliás, A Senhora de Wildfell Hall, assim como o livro anterior da autora, Agnes Grey, se mostrou ser uma crítica escancarada aos costumes da época, em especial à condição da mulher.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Então, o que achou da postagem?
Vamos, não se acanhe! Será muito prazeroso ouvi-lo! (Mas seja educado por favor. ^^)
Ah sim! Se você tiver um blog, deixe seu endereço para que eu possa retribuir a visita. ;)