16 de out de 2017

As Perfeccionistas - Sara Shepard


Uma das minhas manias literárias mais estranhas é que volte e meia gosto de ler livros que abordam o bullying, talvez por ter passado por experiencias ruins no passado. As Perfeccionistas, da escritora americana Sara Shepard apareceu bem nesse momento.

Mackenzie, Ava, Caitlyn, Julie e Parker são garotas do Beacon Heights High que não possuem muita coisa em comum além da escola em que estudam mas que, por ocasião de um trabalho em grupo na aula de cinema avançado descobrem odiar o mesmo garoto: Nolan Hotchkiss, que parece ter o péssimo talento de ser o pesadelo de todos (e, especialmente, de todas) ao seu redor.

Durante a discussão do trabalho, a conversa ruma para a montagem de um assassinato hipotético. É tudo apenas desejo, é claro, quem não gostaria de se livrar de um bully? Ou de, no mínimo, dar o troco e humilhá-lo de alguma forma?

O problema é que, após uma festa regada a bebidas alcoólicas e drogas na casa de Nolan, ele aparece morto. Exatamente da maneira como as meninas haviam "planejado".

A corrente de fofocas e rumores do Beacon Heights High é ativada, e as meninas acabam como principais suspeitas. Agora, elas precisam se virar para encontrarem o verdadeiro assassino, caso contrário suas vidas perfeitas começarão a se estraçalhar ao redor delas.

Acho difícil comentar sobre As Perfeccionistas sem fazer um paralelo com O Canto dos Segredos (resenhado em Março deste ano, caso queiram procurar no histórico do blog). Um crime parecido (o assassinato de um bully), cujas suspeitas recaem sobre um grupo parecido de suspeitos (garotas que sofreram bullying e/ou que, escondem algum elemento para serem melhor aceitas dentro de um determinado grupo ou por uma determinada pessoa.

Em o Canto dos Segredos, conhecemos e acompanhamos a voz narrativa do detetive responsável pelo caso e o vemos explorar o mundo do Bullying, dos bullys e das vítimas como alguém de fora enquanto a narrativa como um todo alterna entre ele e as garotas.

N'As Perfeccionistas, a narrativa se restringe às meninas, seus pensamentos, ações e reações diante do que fizeram, não fizeram ou do que deixaram de fazer ou dizer, incluindo aí as aparições da polícia, que são um mero elemento que desencadeia novos acontecimentos para elas.

A narração de Sarah Shepard não me envolveu de todo. Apesar da competência em montar o enredo e em desencadear os acontecimentos, achei que ela poderia ter acabado com tudo e ter dado uma conclusão à história ao invés de deixar tantas coisas para as adolescentes lidarem. É claro que todas essas pontas soltas fazem sentido se As Perfeccionistas for o início de uma série, o problema é que não achei nada que dê a entender que haverá uma continuação.

Um comentário:

  1. Oi Luiza,
    Já Tinho visto a capa desse livro por aí, mas não sabia que a história se tratava de bullying. Apesar de achar o tema interessante, a história não parece ser bem fechada, como vc mesma comentou. Estou querendo ler A Lista Negra que parece ter haver um pouco com isso.
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir

Então, o que achou da postagem?
Vamos, não se acanhe! Será muito prazeroso ouvi-lo! (Mas seja educado por favor. ^^)
Ah sim! Se você tiver um blog, deixe seu endereço para que eu possa retribuir a visita. ;)